Sobre a empresa /

 

A CAMPO CERRADO PRODUÇÕES é uma jovem produtora de cinema e conteúdos audiovisuais sediada em Uberlândia, MG. 

 

Criada pelos irmãos Cássio Pereira dos Santos e Érika Pereira dos Santos, a empresa tem em seu portfólio trabalhos que foram selecionados em cerca de 200 festivais nacionais e internacionais, tendo acumulado cerca de 50 prêmios no currículo.

Com histórico de vários projetos contemplados em editais de fomento à produção (Ministério da Cultura, FSA, Petrobras Cultural, Codemig, Governo de Minas), nosso ponto forte é a elaboração e realização de filmes de alta qualidade técnica e artística para crianças e jovens. São trabalhos que dialogam de forma eficaz com nosso público-alvo e promovem a reflexão sobre temas relevantes no mundo contemporâneo. Nossas obras foram licenciadas para diversas janelas e plataformas, como canais de televisão, coletâneas de DVD, VOD, Amazon, iTunes, etc, tanto no Brasil como no exterior, em países Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Japão, Suíça, Inglaterra e Coréia do Sul.

 

Entre os trabalhos realizados pelos sócios, destacam-se "A Menina Espantalho" (2008) e "Marina Não Vai à Praia" (2014).

 

Atualmente, a Campo Cerrado desenvolve os projetos de dois longas-metragens e uma série de TV. Um de nossos projetos de longa (VALENTINA) acaba de ser contemplado no edital de Longas Metragens do Ministério da Cultura/FSA, e deve ser produzido em breve (2018/2019). Em parceria com a Rede Minas/Fundo Setorial do Audiovisual, também desenvolvemos um projeto de documentário para televisão (em pré-produção), além de preparar uma série de animação para crianças em idade pré-escolar.

 

Sobre os sócios-diretores /

Cássio Pereira dos Santos nasceu em Patos de Minas em 1980. É graduado em Comunicação Social/Cinema pela Universidade de Brasília, e também é técnico em adminstração de empresas pela ETFG/Sebrae-MG. No início de sua trajetória profissional, na cidade de Brasília, trabalhou como produtor de séries educativas para a TV Escola/MEC, além de prestar serviços de assistência de direção para diversos projetos de cinema e publicidade. Como realizador independente, dirigiu 8 curtas-metragens, trabalhos que foram selecionados e premiados em dezenas de festivais brasileiros, além de receber prêmios no Japão, Estados Unidos, Argentina, Uruguai, Índia e Taiwan. São trabalhos como os curtas-metragens "Menina Espantalho" e "Marina não vai à praia", que não apenas conquistaram reconhecimento técnico e artístico, mas que também dialogam de forma eficaz com o público infantil e adolescente. Para televisão, também escreveu o telefilme infanto-juvenil “Guigo Offline” (52 minutos), financiado e exibido pela TV Cultura de São Paulo em 2017 (Melhor Longa Metragem no Festival Mix Brasil 2017). Atualmente, Cássio desenvolve os projetos de dois longas-metragens para cinema e um telefilme documental.

Érika Santos estudou Interpretação Teatral na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, em Brasília- DF, cidade onde trabalhou por mais de 10 anos.  Foi produtora  e assistente de direção em diversos trabalhos, entre curtas e longas-metragens. Produziu os filmes "A Menina Espantalho", “Marina não vai à praia” entre outros curtas do irmão Cássio Pereira dos Santos. São filmes que foram selecionado por mais de 200 festivais pelo mundo. Integrou a equipe técnica de diversos longas-metragens, como “Faroeste Caboclo” de René Sampaio (baseado na canção de Renato Russo), “Até que a casa caia” de Mauro Giuntini, “A espera de Liz” (em finalização) de Bruno Torres, “Insolação” de Felipe Hirsch e Daniela Thomas, entre outros. Sócia da Campo Cerrado Produções, acaba de finalizar o curta-metragem “Iara”, além de prestar serviços na produção de comerciais de televisão.  Também prepara a produção do primeiro longa da Campo Cerrado, “Valentina” (projeto contemplado pelo MinC/FSA), e o telefilme “Os tambores do rei Ambrósio”, a ser veiculado na Rede Minas.